CBD POR FAVOR! Mãe de paciente suplica por ajuda.

A história do garoto Vítor de 7 anos comoveu muita gente devido a luta da mãe para conseguir o medicamento a base de cannabis.

O preconceito cultural que envolve a cannabis é um grande obstáculo para quem precisa adquirir o óleo de CBD, que muitas vezes é a única alternativa para uma vida normal.

A mãe do garoto, Neide Martins, 55 anos, teve que lidar com o preconceito de médicos que não prescreviam o uso medicinal da erva alegando que poderia acarretar riscos futuros ao filho.

Vítor era uma criança saudável apesar de andar e falar precocemente, até que a mãe percebeu espasmos e procurou um médico, que disse não ser nada e mandou o garoto de volta pra casa.

A mãe, sem desistir, foi a procura de outros médicos, e desta vez, Vítor estava tendo 80 crises convulsivas por dia, além de perder a coordenação motora e a fala, o que fez a mãe suplicar: “Por favor, meu filho precisa do óleo de cannabis”.

Depois de passar por muitos médicos, Vítor foi diagnosticado como portador da Síndrome de West. As crises estavam fortes, e o garoto tinha que andar de capacete para não cair no chão e se machucar.

Neide relata que o filho não conseguia mais ficar de pé, esticar os braços ou até mesmo engolir a comida, e foi aí que ela sentiu que o estava perdendo, e com isso, entrou em depressão.

A vida desta mãe era apenas cuidar do filho, e teve que deixar o emprego para dedicar-se somente a isso. No entanto, a história começou a mudar quando um médico receitou o canabidiol para Vítor.

Neide suplicou e disse que assinava um termo de responsabilidade, pois o filho precisava tomar o medicamento, e o médico assim o fez.

Atualmente, o garoto vive uma vida normal, quase não tem crises e voltou a andar, falar e comer normalmente, mas o tratamento demorou cerca de 7 meses para começar a fazer efeito.

Desistir não foi uma hipótese para essa mãe! Conhece uma história parecida? Conta pra gente:

Ganjalize-se.