Entrevista Revista Ganja – Rafael Evangelista Presidente Aliança Verde

Entrevista Revista Ganja – Rafael Evangelista Presidente Aliança Verde

* Salve, grande Rafael Evangelista Ladeira!!

Saudações meu amigo Bruno,

* Bom, meu irmão, vamos começar do zero?? Como foi o início da sua história com a cannabis?

Acredito ter uma ligação genética com a planta desde vidas passadas. Mas respondendo objetivamente, me aproximei da cannabis por saber dos seus potenciais industriais e terapêuticos. Desde então venho estudando algumas coisas sobre o tema.

* Você teve algum “professor”, guia ou guru de inspiração no envolvimento com a cannabis?

Em relação a Cannabis, gosto muito do SOMA. Também admiro muito a galera da StickyFields, cultivo californiano outdoor, plantas lindas! Mas como Gurus, eu tenho o Ernst Götsch (agricultor e pesquisador suíço que criou um conjunto de técnicas que compõe a Agricultura Sintrópica), e o Rudolf Steiner (agricultura biodinâmica).

* Conta para a gente sobre o Aliança Verde? Como foi a sua decisão de abrir o Aliança Verde?

A Aliança Verde é uma associação que objetiva requerer aos órgãos competentes o direito de cultivo da Cannabis para uso medicinal exclusivo de nossos associados pacientes, que possuam obrigatoriamente prescrição e laudo médico para o uso. Nosso objetivo é ajudar e formar uma família que lute por um direito fundamental.
Quanto a decisão de abrir, simplesmente surgiu. Em alguns anos estávamos com médicos e profissionais, pacientes nos procurando e aí começamos a profissionalizar algumas diretrizes.

* Vocês possuem equipe médica? Quais profissionais fazem parte da equipe do Aliança Verde?

Vou aproveitar o espaço cedido pelo amigo e indicar que entrem no nosso site www.aliancaverde.com , lá será possível conhecer mais sobre nós e também sobre nossa equipe técnica. Inclusive, sua foto está lá hahaha. Temos a honra de ter um profissional como você como Diretor Ambiental da Aliança Verde.

* E quais são os desafios encontrados pelo Aliança Verde?

Os desafios são enormes. É um tema que envolve egos e interesses financeiros bilionários. Atualmente, estamos tentando retomar um Projeto de Lei que permite o cultivo individual e associativo para fins medicinais, juntamente com outras associações.

* Como você acha que nós, da Revista Ganja, podemos contribuir para essa luta?

A Revista Ganja tem papel fundamental nesse cenário! É importante que as matérias sejam sempre as mais claras possíveis. Temos observado muitas matérias sobre a cannabis sem um olhar técnico. Eu entendo que a mídia é algo que ajuda na formação da opinião pública, mas a galera precisa ficar esperta. É preciso entender sobre o Programa Nacional de Medicamentos Fitoterápicos, bem como o Uso Tradicional da Planta, esse tema é complexo e envolvem muitas legislações. A indústria de medicamentos sintéticos tem interesses financeiros, nós somos uma associação, e o propósito comercial é totalmente removido da equação. Portanto, agradecemos ao espaço cedido para apresentar nosso trabalho.

* Alguma dica especial, para quem acompanha a Revista Ganja, para que possamos todos ajudar a luta dos pacientes?

A dica é: Informação de qualidade! Precisamos falar sobre a planta inteira, não somente CBD ou THC (isolado ou sintético). A atividade farmacológica da cannabis é resultante de uma ação sinérgica entre os seus componentes (efeito entourage). Regular a cannabis no Brasil precisa ser algo feito com muita seriedade. Não podemos esquecer do lado social, e uma regulamentação precisa levar isso em conta.

* Bom, vamos falar um pouco sobre o futuro? Como você enxerga o futuro da Ganja no Planeta? Medicinal vs industrial vs recreativo?

Enxergo uma legalização total no futuro. O uso de qualquer substância de forma abusiva será ruim para a saúde, então não acho que o uso da ganja seja para todos, porém acho que essa escolha deve vir de cada um. Sou a favor de um modelo inicial de regulação, desde que essa regulação envolva todos os players da equação (pequenos produtores, cultivadores, pacientes, empresas etc).

* E no Brasil?

O Brasil é o melhor país do mundo para o cultivo na minha opinião. Temos a chance de virar potência mundial e investir em tecnologias limpas para a regeneração do planeta.

* Uma última palavrinha para nossos leitores?

A dica é: Não desistam, lutem pelos seus direitos e tenham fé! A vitória é certa!

* Muito obrigado!!

Imenso prazer, meu irmão.!

Obrigado pelo seu tempo e dedicação.

Entrevistador: Bruno Libardoni

Entrevista realizada no dia 15/06/2019